ALCANÇANDO VITÓRIA SOBRE O SOFRIMENTO



Na hora de dor ou sofrimento, o ânimo decresce e a comunhão com Jesus pode tornar-se difícil. Mas a Bíblia tem palavras que precisamos ouvir… ler…meditar para, através delas, alcançar a vitória. No meio do sofrimento, quando o tempo parece passar mais lentamente, Deus quer ajudar.


1.UMA PROMESSA DE VITÓRIA. “Tenho-vos dito estas coisas, para que em mim tenhais paz. No mundo tereis tribulações; mas tende bom ânimo, eu venci o mundo” (João 16:33).
Nunca estamos sozinhos. Jesus está connosco. Ele pode e quer ajudar. Neste mundo, passou por todo tipo de sofrimento e venceu! Podemos confiar-Lhe as nossas vidas: Jesus vai ajudar-nos a resistir e ultrapassar o actual sofrimento. Confiemos Nele. A sua graça é suficiente (2 Coríntios 12:9).

2. SEGURANÇA EM TODOS OS MOMENTOS. “Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem anjos, nem principados, nem coisas presentes, nem futuras, nem potestades, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor” (Romanos 8:38,39). 
O sofrimento não é sinal que Deus nos abandonou. Faz parte integrante da vida cristã. Se realmente amamos Jesus, não há nada neste mundo que possa separar-nos dele! O Senhor jamais irá abandonar-nos. Pelo contrário, Ele estará sempre do nosso lado para nos confortar e fortalecer. E vai ajudar-nos a alcançar e reconhecer a vitória que alcançámos através do sofrimento.

3. UMA VITÓRIA MAIOR À NOSSA ESPERA. “Por isso não desfalecemos; mas ainda que o nosso homem exterior se esteja consumindo, o interior, contudo, se renova de dia em dia. Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós cada vez mais abundantemente um eterno peso de glória” (2 Coríntios 4:16,17).  
Nesta vida, sempre vamos ter vai que enfrentar sofrimento e dor. Mas esses momentos não vão durar para sempre. Com Jesus, temos inclusive assegurada a promessa de uma vitória eterna! Depois dos sofrimentos desta vida, os crentes em Cristo receberão a grande recompensa da vida eterna no Céu. Lá, não haverá mais dor nem sofrimento, por toda a eternidade.

Sejamos fortes corajosos diante do sofrimento. Não desistamos. Nunca. Se for correctamente encarado, duas bênçãos, pelo menos, dele resultarão:
1. Deus será glorificado pela nossa atitude e capacidade para confiar Nele e depender da Sua graça quando, por vezes, nada depende de nós.
2. Experimentaremos crescimento espiritual que doutra maneira não teria sido possível e o nosso caracter ficará mais parecido com o de Jesus – o “servo sofredor” (Isaías 53:1-12).   



LIÇÕES IMPORTANTES DA RESSURREIÇÃO DE JESUS PARA OS CRENTES


A ressurreição de Jesus foi o maior acontecimento da História da humanidade! Naquele dia, o mundo mudou para sempre. Esse evento maravilhoso tem para nós alguns preciosos ensinamentos acerca de Jesus:

JESUS VENCEU A TENTAÇÃO. Porque não temos um sumo-sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado” (Hebreus 4:15).

A obra propiciatória de Cristo está relacionada com o Seu ministério na qualidade de sumo-sacerdote. Ao tomar a natureza humana, Cristo demonstra a Sua misericórdia para com a humanidade e a Sua obediência ao Pai para satisfazer a exigência divina por causa do pecado e obter o perdão total para o seu povo.

A Bíblia diz que o salário do pecado é a morte, mas Jesus nunca pecou! Por isso, ele não podia continuar morto. Ao longo da Sua vida na terra, o Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, enfrentou inúmeras tentações mas nunca cedeu ao pecado. Ele nos mostrou que, com a Sua presença em nós é possível, no poder do Espírito Santo, vencer a tentação e, consequentemente, sair vitorioso sobre o pecado.

O ministério de Cristo como nosso sumo-sacerdote garante não apenas a empatia connosco, mas também a absolvição do nosso pecado (1 João 1:9). Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna. Tudo por intermédio de Jesus Cristo, nosso Senhor e nosso Advogado junto do Pai! (1 João 2:1).

A MORTE TAMBÉM FOI VENCIDA. Sabendo que, tendo sido Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre; a morte não mais tem domínio sobre ele.” (Romanos 6:9).

Cristo não só morreu para o pecado em relação ao castigo deste, ou seja, cumprindo para sempre, em nosso lugar, todas as exigências da lei, mas também destruiu perpetuamente o poder do pecado sobre os filhos adoptivos de Deus. Aqueles que Lhe pertencem e devem aceitar pela fé tudo o que Deus já lhes revelou ser verdadeiro, inclusive considerarem-se agora mortos para o pecado mas vivos para Deus pela fé em Jesus Cristo.

Porque estamos em Cristo e Ele morreu em nosso lugar, também somos considerados mortos com Ele. Morremos para o pecado não no que diz respeito à luta diária dos crentes para vencer o mal, mas sim em relação a um acontecimento único, pontual, completado no passado, ou seja: estamos em Cristo e Ele morreu em nosso lugar!

Uma vez que estamos agora unidos a Jesus pela fé, a Sua morte e o Seu sepultamento tornaram-se nossos, bem como a Sua ressurreição, pois Deus até já nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus! (Efésios 2:6).

HÁ ESPERANÇA EM JESUS PARA QUEM NELE CRÊ. Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; e todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá. Crês tu isto?” (João 11:25-26).

Com a Sua ressurreição, Jesus Cristo provou que só Ele pode ressuscitar os mortos. Não existe ressurreição ou vida terna fora do Filho de Deus. Somente mediante a nossa fé Nele, como nosso Salvador pessoal, podemos ser eternamente salvos e ter acesso à presença de Deus. Ele é a verdade de Deus (João 1:14), a vida de Deus (João 1:4;3:15;11:25) e o único Caminho para o Pai! (João 14:6).

Jesus continua vivo! Ele derrotou a morte e agora está junto ao Pai. Isso significa que a morte perdeu o seu poder sobre Ele e, consequentemente, sobre nós também. Jesus mostrou que a morte dos nossos corpos não é o fim. Há esperança! Assim como Jesus ressuscitou, também iremos ressuscitar. Jesus promete a vida eterna a todo aquele que n’Ele crê. A morte já não deve ser motivo de medo ou desespero! Em Jesus Cristo podemos, de facto, encontrar e receber vida nova, sem limites, eterna!


ADMIRÁVEIS BENEFÍCIOS CRISTÃOS DA RESSURREIÇÃO DE JESUS


“Ora, se se prega que Cristo ressuscitou dentre os mortos, como dizem alguns dentre vós que não há ressurreição de mortos? E, se não há ressurreição de mortos, também Cristo não ressuscitou. E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé. E assim somos também considerados como falsas testemunhas de Deus, pois testificamos de Deus, que ressuscitou a Cristo, ao qual, porém, não ressuscitou, se, na verdade, os mortos não ressuscitam. Porque, se os mortos não ressuscitam, também Cristo não ressuscitou. E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados. E também os que dormiram em Cristo estão perdidos. Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens.” (1 Coríntios 15:12-19).

A ressurreição de Cristo confere aos seus beneficiários - os crentes salvos por Jesus Cristo – consequências positivas tanto para o presente como no porvir. Actualmente e na sua perspectiva espiritual, a ressurreição promove os crentes em Jesus à novidade de vida (Romanos 6: 4), permitindo-lhes experimentar, pela fé, antecipadamente, a vivência “nos lugares celestiais em Cristo Jesus” (Efésios 2: 6).

A verdade da ressurreição de Cristo serve também como fundamento para a realidade da justificação, recebida por aqueles que confiam somente na obra expiatória de Cristo, que “ressuscitou para nossa justificação” (Rom. 4:25). Assim, pela fé, entregamos os nossos pecados a Jesus e Deus perdoa-os, considerando-nos inculpáveis, porque tem em conta o sacrifício substitutivo realizado por Seu Filho amado, que foi feito pecado por nós “para que, Nele fôssemos feitos justiça de Deus” (2 Co 5:21).

Em 1 Coríntios 12:15-19, Paulo descreve à igreja de Corinto a conclusão lógica de duvidarem da ressurreição. O raciocínio do apóstolo é o seguinte:
1. Negar que os crentes serão ressuscitados é negar que Cristo ressuscitou.
2. Negar que Cristo ressuscitou é considerar vã a nossa fé.
3. Se a nossa fé é vã, então ainda permanecemos em nossos pecados.
4. Se nós, que confiamos em Cristo para a salvação, ainda estamos em nossos pecados, então aqueles que já morreram em Cristo pereceram, e nós experimentaremos o mesmo destino.
5. Isto significaria que aqueles que, agora, ‘estão em Cristo’ são dignos de piedade, porque vão morrer em seus pecados e ficarão, consequentemente, separados de Deus.
6. Além disso, se Cristo não ressuscitou, nós, que somos crentes em Cristo, mentimos quando pregamos que Cristo foi ressuscitado!

Vemos, portanto, que, para o apóstolo Paulo, as consequências lógicas de duvidar da ressurreição corporal é assunto muitíssimo sério, pois a ressurreição do corpo é um aspecto vital da totalidade da redenção que desfrutamos em Cristo. O que está em jogo é nada menos que a nossa salvação eterna!

Paulo argumenta que Cristo, realmente, ressuscitou fisicamente e que esse facto garante que aqueles que Lhe pertencem também hão-de ressuscitar. A conclusão explícita é que existe um elo inquebrável entre a validade da ressurreição de Cristo e a  nossa ressurreição, de modo que, se não formos ressuscitados, então é porque Cristo também não ressuscitou! E o inverso também é verdadeiro: se Cristo não ressuscitou, também nós não seremos ressuscitados.

Mas se a ressurreição de Cristo é historicamente verdadeira, como cremos que é, isso deve influenciar a forma como entendemos os nossos corpos: a morte, realmente, não é o fim! O solo terreno serve apenas de “depósito”, ou local de descanso temporário, até que chegue o dia em que seremos chamados à glória para assumirmos a nossa nova estatura corpórea que, à semelhança do corpo de Jesus ressuscitado, nunca mais experimentará corrupção ou qualquer tipo de deterioração.   

Cristo prometeu e garantiu, através da Sua obra salvífica realizada a nosso favor, que nós, filhos e filhas de Deus pela fé em Jesus Cristo, O acompanharemos onde quer que Ele estiver. A nossa identificação com o Senhor Jesus ressuscitado é tal que, para onde Ele for, nós também iremos! E para onde é que Ele foi? Como Deus incarnado, Jesus foi preparar-nos um lugar e, quando Ele voltar em glória na segunda vinda para finalmente consumar Seu reino, levar-nos-á com Ele para esse lugar (João 14: 2-3). Não como meros seres espirituais, mas sim na qualidade de seres com corpos glorificados semelhantes ao Seu corpo glorioso da pós-ressurreição.

Mas de facto Jesus Cristo ressuscitou de entre os mortos, sendo Ele as primícias dos crentes que dormem nas sepulturas (1 Coríntios 15:20); é o símbolo, ou credencial que garante que virá o dia em que nos uniremos com Ele em glória. A ressurreição de Jesus foi a primeira, mas certamente não será a última (Atos 26:23). Como tal, nós também estaremos com Cristo e seremos semelhantes a Ele na Sua natureza corpórea, possuindo corpos físicos, que serão, como o Seu corpo físico glorificado, perfeitamente adequados para desfrutar uma eternidade na presença excelsa do nosso Criador e eterno Deus triuno!

De facto, nosso Senhor Jesus Cristo ressuscitou e vai voltar, trazendo com Ele em glória todo o Seu povo - independentemente do tratamento de seus corpos após a morte - para uma vivência eterna, com Ele, em glória para nós agora inimaginável! (1 Coríntios 15:22; Cl 3: 3; 1Ts 4:16-17; 5: 9-10). A nossa actual união espiritual com Cristo, pela fé, implica que, de certa maneira, o que acontece com Ele na glória também acontece connosco aqui e agora. Já “fomos ‘ressuscitados’…e estamos juntamente com Ele ‘sentados nos lugares celestiais em Cristo Jesus’ (Efésios 2: 6).

Espiritualmente, e segundo o ensinamento bíblico, em resultado directo da nossa salvação já estamos mortos para o pecado e vivos para a justiça, pois fomos ressuscitados com Cristo e desfrutamos a Sua glória preeminente “nos lugares celestiais”, embora ainda não tenhamos recebido algo que Cristo já recebeu, isto é, a gloriosa ressurreição dos nossos corpos. É isso que espera todos os crentes em Cristo, e é isso que irá acontecer com a segunda vinda Jesus!

A nossa futura ressurreição será padronizada pelo que foi a Sua ressurreição: o evento histórico mais sublime e glorioso de sempre e o início do dominó escatológico que pôs em movimento a profetizada restauração de todas as coisas e que culminará com a ressurreição corporal de todos aqueles que estão indissoluvelmente unidos a Cristo pela fé. Seguramente, havemos, então, de ouvir a voz de Jesus dizer algo mais ou menos assim: “saí da sepultura, ó benditos de meu Pai, e experimentai a esperada ressurreição para a vida eterna!” (João 5: 28–29). E assim acontecerá!

A verdade da ressurreição de Cristo permite-nos, pois, considerar a nossa ressurreição como se ela já tivesse acontecido! Podemos afirmá-lo convictamente, com base no ensinamento bíblico. Neste domingo pascal, meu irmão e irmã em Cristo, quando, na acção e poder do Espírito Santo que em nós habita, afirmarmos: “Aleluia! Jesus ressuscitou!”, lembremo-nos também de que, a veracidade desta bendita proclamação garante-nos que o mesmo irá acontecer connosco e, então, havemos de dizer em atmosfera de alegria indizível: “Ressuscitámos! Aleluia! Verdadeiramente ressuscitámos!” E, assim, estaremos para sempre com Jesus!

Aleluia! Bendito seja o nome do Senhor!

“Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra; porque já estais mortos, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus. Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então também vós vos manifestareis com Ele em glória.” (Colossenses 3:1-4). 


NÃO TE DEIXES VENCER PELO MAL, MAS VENCE O MAL COM O BEM


“…Se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer pelo mal, mas vence o mal com o bem.” (Romanos 12:20-21)

Quando as pessoas nos magoam ou maltratam, como é que devemos reagir? Certamente a vingança nunca deve ser a resposta cristã perante o mal de que possamos ser vítimas. A Bíblia aponta-nos uma solução radical: “Não te deixes vencer pelo mal, mas vence o mal com o bem”! É que, verdadeiramente, só podemos vencer o mal optando por uma atitude benigna perante quem nos ofendeu, fez mal ou maltratou. Embora reconheçamos, claro, que não devemos tolerar a injustiça perpetuamente!

É importante tomarmos consciência de que, ao longo da vida, no nosso convívio com outras pessoas, podemos, irreflectidamente, fazer inimigos. Para ter inimigos não é preciso ser mau! A vida de Jesus é disso paradigmática. Mas o nosso grande inimigo nunca é ou será uma determinada pessoa, mas sim o “príncipe do mal”, que opera através da nossa fragilidade humana. E esse ser maligno não pode ser vencido se nós praticarmos ainda mais mal. Também neste campo Jesus nos dá uma directiva importante: “Amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam; bendizei os que vos maldizem, e orai pelos que vos caluniam” (Lucas 6:27-28).

Quando experimentamos e pomos em prática a nova vida de Cristo em nós, é possível, com a ajuda de Deus, amarmos os nossos inimigos. Não somente na força da nossa imperfeita capacidade humana de amar, mas sim porque temos agora o amor de Deus derramado em nossos corações (Romanos 5:5). Assim, quando optamos por amar em vez de odiar ou amaldiçoar alguém, orando, inclusive, para que Deus abençoe essa pessoa, certamente estaremos, pela graça de Deus em nós, vencendo o mal e pondo em prática o ensino de Jesus.

Numa perspectiva cristã, o amor é sempre mais forte que o ódio… o bem é mais forte que o mal… e a vida é mais forte do que a morte! Um dia, o amor vai mesmo vencer definitivamente! Então, não existirá mais ódio, nem mal, nem morte. De certa maneira foi por isso que Jesus veio ao mundo. Por nós, humanos, Ele foi odiado, maltratado e morto na cruz. Mas ressuscitou. E a ressurreição de Jesus é vitória triunfante não só da vida sobre a morte, mas também do amor sobre o ódio e do bem sobre o mal!

Com a ressurreição de Cristo foi alcançada uma nova e mais elevada forma de vida. E com a perfeição da vida gloriosa de Jesus ressuscitado veio também a perfeição do amor que inunda agora os corações crentes. O amor de uma vida já  ressuscitada com Cristo (Colossenses 3:1) é o mais abundante e o mais elevado de todos. É desse amor que nos tornamos participantes em Cristo. Quando O aceitamos como nosso Salvador pessoal. Um amor que está para além de tudo o que é terreno, humano, maligno e falível. Um amor que, à semelhança da paz de Deus, excede até o nosso entendimento. Um amor que pode ajudar-nos, realmente, a vencer o mal com o bem. Como Jesus ensinou. E fez. 


O DEUS DA BÍBLIA É ALEGRE E ALEGRA-SE COM A NOSSA ALEGRIA


Estas coisas vos tenho dito, para que a minha alegria permaneça em vós, e a vossa alegria seja completa” (João 15:11).

A Bíblia fala-nos da alegria de Deus. Diz, inclusive, que a alegria do Senhor é a nossa força. De facto, o nosso Deus é alegre e o fruto do Espírito Santo na vida dos crentes é também alegria: - “Mas o fruto do Espírito é: o amor, a alegria, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão, o domínio próprio…” (Gálatas 5:22-23). 

Já nos tempos do Velho Testamento a alegria de Deus foi revelada aos homens. Em muitos dos sacrifícios oferecidos eram exigidas apenas porções simbólicas. Basicamente, uma das ordens vindas de Deus era esta: - “E aquele dinheiro darás por tudo o que deseja a tua alma, por vacas, e por ovelhas, e por vinho, e por bebida forte, e por tudo o que te pedir a tua alma; come-o ali perante o SENHOR teu Deus, e alegra-te, tu e a tua família” (Deuteronómio 14:26).  

Vivemos num tempo em que o mundo procura convencer-nos de que a alegria pode ser encontrada no dinheiro…na fama…numa carreira de sucesso…na posse de bens materiais…mas, na verdade, nada disso nos pode trazer verdadeira satisfação. Tudo tem um valor passageiro. Tudo acaba. Mas a alegria que vem de Deus não tem fim! No Antigo Testamento, os israelitas vinham tristes e arrependidos ao Templo para oferecer sacrifícios, por causa de seus pecados, mas, depois, voltavam para suas casas alegres e glorificando a Deus pelo Seu perdão!

Jesus veio ao mundo para ser oferecido em sacrifício por amor de nós. De facto, Ele é o Cordeiro de Deus, sem qualquer mácula ou imperfeição, que tira o pecado do mundo. Quando perante Deus nos arrependemos dos nossos pecados e, reconhecendo os méritos de Jesus para ser o nosso Salvador pessoal, O aceitamos em nossos corações… podemos sentir que entramos na presença de Deus e recebemos a alegria ímpar da nossa salvação! Alegria perene. Completa. Que deve mesmo ser partilhada!

Quando recebemos a alegria de Deus, não faz sentido ter medo só porque pensamos que ela algum dia vai acabar. Sabemos que o nosso Pai Celestial é eterno e tem sempre mais alegria para nos dar. Mesmo na tristeza, Deus ainda nos pode dar alegria. Sim, porque a alegria cristã não é mera emoção… mas antes um estado de alma capaz de gerar em nós um sorriso alegre, pleno de esperança, mesmo no meio de algum sofrimento ou tribulação.

Se houver tristeza, Deus promete que ela não vai durar para sempre! O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã! E, se vem de Deus, pode durar por toda a eternidade! Pode até vencer a própria dor já que, no sofrimento, a alegria do Senhor faz toda a diferença. “… Este dia é consagrado ao nosso Senhor; portanto não vos entristeçais; porque a alegria do SENHOR é a vossa força! (Neemias 8:10). Que assim seja, estimado(a) leitor(a)!
  

DEUS É O NOSSO REFÚGIO E FORTALEZA, SOCORRO BEM PRESENTE NA ANGÚSTIA!


“O Senhor é a minha luz e a minha salvação; a quem temerei? O Senhor é a força da minha vida; de quem me recearei?“ (Salmo 27:1).

O Salmo 27 foi escrito por David, o rei mais famoso do antigo Israel. Mas, antes de se tornar rei, David foi pastor das ovelhas de seu pai e cedo na vida se habituou a enfrentar muitos e graves perigos.

Em diversas circunstâncias da sua vida, David sofreu tentativas de assassinato… viveu como um fugitivo… foi perseguido até por exércitos... e enfrentou vitoriosamente muitas batalhas.

A vida deste homem de Deus era constantemente ameaçada, mas ele sentia grande segurança, porque confiava em Deus e sabia que o Senhor estava com ele, protegendo-o em todo tempo.

Muitas vezes podemos pensar que os nossos problemas são impossíveis de resolver. Tudo parece estar contra nós. Mas, se Deus está do nosso lado, não há razão para ficar com medo! Se Deus é por nós, quem será contra nós?

A presença de Deus dá-nos paz e alívio nos momentos difíceis. Quando parece que não conseguimos lidar com o mundo, podemos sempre refugiar-nos na presença de Deus e encontrar força para superar os nossos problemas.

Quando se sentia só, inseguro ou com medo, David orava invocando o nome de Deus! Sabia que, sozinho, nada podia fazer. Todos nós podemos ter momentos assim. Quando isso acontecer, lembremos que Deus está sempre disponível!

Deus nunca abandona os Seus filhos! Muitos menos nos tempos nebulosos da vida ou nas horas da necessidade! Espera, pois pelo Senhor; anima-te! Invoca-O e Ele fortalecerá o teu coração; espera, pois, pelo Senhor!   



O QUE ENTENDEMOS POR MENSAGEM DO EVANGELHO?


Evangelho quer dizer boas notícias, ou boas novas. E não há mensagem mais prioritária, que todos precisam ouvir, compreender e aceitar, do que aquela a que chamamos “as boas novas” do evangelho.

O evangelho é caracterizado como sendo “boa notícia” porque diz respeito ao problema mais sério que qualquer ser humano enfrenta e que é este: Deus é santo e justo e nós não. E no final desta vida vamos ser julgados por Ele.

Seremos julgados com base na nossa própria justiça, ou com base na justiça de outra Pessoa? A “boa notícia” do evangelho é que Jesus viveu neste mundo uma vida de perfeita justiça e obediência a Deus, não em favor de Si próprio mas do Seu povo.

Jesus fez por nós o que nós jamais poderíamos fazer. Por amor de nós, Ele não só viveu uma vida humana de perfeita obediência ao Pai Deus, mas ofereceu-Se também para morrer no lugar de todos os que O aceitam como seu Salvador pessoal.

Jesus satisfez perfeitamente a justiça de Deus. Para Deus perdoar os nossos pecados  foi preciso pagar um alto preço. Qual? O sacrifício de Seu próprio Filho! E, depois, ao ressuscitar Jesus de entre os mortos, Deus estava implicitamente declarando que aceitou o modo como Cristo morreu em nosso lugar. A nossa dívida foi paga!

Portanto, o evangelho é a “boa notícia” sobre quem é Jesus e o que Ele veio fazer em favor da humanidade. Mas o evangelho tem também uma dimensão pessoal. Ou seja: como é que os benefícios da vinda de Jesus podem ser acolhidos? A Bíblia deixa bem claro que só podemos ser ‘justificados’ pela graça de Deus e mediante a nossa fé nos méritos de Jesus.

Assim, a única maneira de receber o benefício resultante da morte de Cristo é colocando a tua confiança, ou fé, n’Ele – e somente n’Ele! Quando assim fazermos, Deus declara-nos ‘inculpáveis´ diante d’Ele, ou ‘justificados’, perdoando todos os nossos pecados e aceitando-nos como Seus filhos e filhas por adopção.

E… é então que começa a nossa grande “aventura” chamada vida cristã, rumo à eternidade! Nunca sozinhos mas andando sempre com Jesus que disse: “Estarei convosco todos os dias, até à consumação dos séculos”.

ACHEI UM GRANDE AMIGO

Achei um grande Amigo, Jesus, o Salvador;
Contarei quão grandes coisas fez por mim.
Estando eu perdido, indigno pecador,
Resgatou-me e agora eu sirvo a Ele enfim.
E em Seu amor imenso, por mim morreu na cruz,
E o perdão dos meus pecados outorgou.
Assim me regozijo, vivendo em Sua luz;
Aleluia! Jesus Cristo me salvou!

Por este grande Amigo, desejo aqui viver,
E com Ele sempre estar em comunhão;
Servi-Lo fielmente, seguindo o Seu querer;
Vou a Cristo consagrar meu coração.
Se o mundo me persegue, se tenho tentação,
Com Jesus em minha vida, vencerei;
E a cada dia Cristo conduz-me pela mão,
E na Sua graça sempre confiarei.

Já vem chegando o dia, a Bíblia assim o diz,
Em que Cristo a este mundo voltará;
Momento mui alegre! Que dia tão feliz!
Sim, que dia esplendoroso então será!
E assim com Ele sempre no Céu habitarei,
Já liberto do pecado e da dor;
E lá, constantemente, Seu rosto então verei,
E estarei pra sempre junto ao Salvador. 

    - Charles Wulliam Fry – (1837-1882)
    - Ira David Sankey – (1840-1908) 

clique aqui para ouvir este hino cristão

EXISTE UM DEUS CRIADOR QUE NOS AMA E QUER RELACIONAR-SE PESSOALMENTE CONNOSCO!


É BOM ESPERAR E CONFIAR NO SENHOR! 

Pus a minha confiança no Senhor
E Ele dignou-se ouvir o meu clamor;
Tirou-me de um poço fatal, um charco de lama;
Pôs os meus pés sobre uma rocha
E deu firmeza aos meus passos.
O Senhor pôs na minha boca um cântico novo,
Um hino de louvor ao nosso Deus.
Muitos, ao ver isto, sentir-se-ão comovidos
E porão a sua confiança no Senhor.
Tu fizeste tanto por nós, Senhor, meu Deus;
Não há ninguém igual a Ti!
Tu fizeste para nós muitos planos maravilhosos;
Nunca conseguiria anunciá-los todos ou proclamá-los,
Porque são incontáveis.
Senhor, não me negues a Tua ternura;
Que me protejam sempre o Teu amor e lealdade!
Encham-se de alegria os que Te procuram
E os que desejam a Tua salvação digam constantemente:
O Senhor é grande!                (Salmo 40:1-4,6,12,17)


UM DIA JESUS ACHOU-ME


Jesus um dia achou-me
Mui longe do me lar,
Perdido já no mundo,
Sem mais poder voltar.
Nos braços Seus tomou-me,
Por Seu amor salvou-me,
E com dulçor levou-me
De volta para o lar.

CORO:
A presença de Jesus
Dá-me paz, prazer e luz.
Cada dia cresce, mais se enriquece
Esta vida com Jesus.

Andamos pelos montes
Pra minha fé provar.
Tão densas são as trevas!
Não posso caminhar!
Não há nenhum perigo
Pois Cristo está comigo,
E este grande Amigo
Conduz-me para o lar.

Passamos pelos vales,
Quão bom é relembrar!
Despertam as saudades
Do meu paterno lar.
Oh, quão maravilhoso
Sentir tão alto gozo:
O Amigo tão precioso
Levar-me vai ao lar.            

   - Lelia Naylor Morris – (1862-1929)

DEUS AINDA PERMANECE MESMO QUANDO TUDO O MAIS PARECE FALHAR



CONFIANÇA EM DEUS

O Senhor é a minha luz e salvação,
De quem poderei ter medo?
O Senhor defende a minha vida.
Quem me poderá assustar?
Quando os malfeitores me sobrevêm
Para me destruir,
Meus opressores e inimigos,
Eles é que tropeçam e caem.
Ainda que um exército me cerque,
Não terei medo nenhum;
Mesmo que se declare guerra contra mim,
Manter-me-ei confiante!
Uma só coisa pedi ao Senhor,
Uma coisa que eu desejo:
Viver na Casa do Senhor toda a minha vida,
Para sentir a amizade do Senhor
E acordar todas as manhãs no Seu Templo.
Quando chegarem os dias maus, Ele me abrigará;
Ele manter-me-á em segurança no Se Santuário;
Pôr-me-á a salvo sobre uma rocha.
Ainda que o meu pai e a minha mãe me abandonem,
O Senhor tomará conta de mim.
Eu creio firmemente
Que verei a bondade do Senhor na terra dos viventes. 
Confia no Senhor!
Sê forte e corajoso. Confia no Senhor! (Salmo 27:1-5,10,13,14).

clique para ouvir o seguinte hino de encorajamento cristão


MEU DIVINO PROTECTOR

Meu divino Protector, quero em Ti me refugiar,   
Pois as ondas de terror ameaçam-me tragar!
Quase estou a perecer! Dá-me a Tua protecção!
Pois guardado em Teu poder, não receio o furacão!

És amparo, meu Jesus! Sem alento venho a Ti.
Não me deixes sem a luz que ilumina a senda aqui.
Eu confio em Teu amor e na Tua compaixão;
És meu forte defensor; que me ampare Tua mão.

Graça imensa em Ti se achou, para tudo perdoar;
Sangue Teu se derramou, nele quero-me lavar.
Fonte és de todo bem; dá-me sempre de beber!
Confortar minh'alma vem; quero em Teu amor viver.

    - Charles Wesley (1707 -1788)
    - Simeon Butler Marsh (1789-1875)


O NOSSO SOCORRO ESTÁ NO SENHOR!



DEUS ESTÁ DO NOSSO LADO!

Se o Senhor não estivesse do nosso lado
- que o diga Israel -,
Se o Senhor não estivesse do nosso lado,
Quando os nossos inimigos nos atacaram,
Ele tinham-nos tragado vivos,
Na sua fúria contra nós;
As águas ter-nos-iam então submergido
E teriam passado por cima de nós!
As águas turbulentas ter-nos-iam sufocado!

Bendito seja o Senhor,
Que não deixou que caíssemos
Como presa nas mãos dos inimigos.
Como um pássaro, escapámos da armadilha do caçador;
Rompeu-se o laço e nós escapámos.
O nosso auxílio vem do Senhor,
Que fez o céu e a terra.                       (Salmo 124)

CONTA AS MUITAS BÊNÇÃOS!  

Se da vida as vagas procelosas são,
Se, com desalento, julgas tudo vão,
Conta as muitas bênçãos, dize-as duma vez,
E verás, surpreso, quanto Deus já fez!

Coro:
Conta as bênçãos! dize quantas são,
Recebidas da divina mão!
Vem dizê-las, todas duma vez,
E verás, surpreso, quanto Deus já fez!

Tens acaso mágoas? Triste é teu lidar?
É a cruz pesada, que tens de levar?
Conta as muitas bênçãos, não duvidarás,
E em canto alegre os dias passarás.

Quando vires outros com seu ouro e bens,
Lembra que tesouros prometidos tens!
Nunca os bens da terra poderão comprar
A mansão celeste que vais habitar.

Seja o conflito fraco ou forte aqui,
Não te desanimes: Deus será por ti,
Seu divino auxílio, minorando o mal,
Te dará consolo, e galardão final.

    - letra: Johnson Oatman Jr., 1879
    - música: Edwin Otheloi Excell, 1897

clique AQUI para ouvir (e talvez cantar!) este hino cristão.

SOSSEGAI, SIM, SOSSEGAI!



Toda a Natureza Lhe Obedece

Ora, aconteceu certo dia que [Jesus] entrou num Barco com
Seus discípulos, e disse-lhes: passemos para
A outra margem do lago. E partiram.

Enquanto navegavam, Ele adormeceu;
E desceu uma tempestade de vento sobre o lago; e o
Barco se enchia de água, de sorte que perigavam.
Chegando-se a Ele o despertaram dizendo:

Mestre, Mestre, estamos perecendo!

E Ele, levantando-se, repreendeu o vento e a fúria
Da água; e cessaram, e fez-se bonança.

Então lhes perguntou: onde está a vossa fé?
Eles, atemorizados, admiraram-se,
Dizendo uns aos outros:

Quem, pois, é este, que até aos ventos e à água
Manda, e lhe obedecem?     (Lucas 8:22-25)

clique AQUI para ouvir e apreciar o seguinte hino cristão:


SOSSEGAI !

Ó Mestre! O mar se revolta,
As ondas nos dão pavor;
O céu se reveste de trevas,
Não temos um Salvador!
Não se te dá que morramos?
Podes assim dormir,
Se a cada momento nos vemos,
Sim, prestes a submergir?

Coro:
As ondas atendem ao meu mandar:
Sossegai!
Seja o encapelado mar,
A ira dos homens, o génio do mal,
Tais águas não podem a nau tragar,
Que leva o Senhor, Rei do Céu e mar,
Pois todos ouvem o meu mandar:
Sossegai! Sossegai!
Convosco estou para vos salvar;
Sim, sossegai!

Mestre, na minha tristeza
Estou quase a sucumbir;
A dor que perturba minha alma,
Oh! Peço-te, vem banir!
De ondas do mal que me encobrem,
Quem me fará sair?
Pereço, sem ti, oh! Meu Mestre!
Vem logo, vem me acudir!

Mestre, chegou a bonança,
Em paz eis o céu e o mar!
O meu coração goza calma
Que não poderá findar.
Fica comigo, oh! Meu Mestre,
Dono da Terra e Céu,
E assim chegarei bem seguro
Ao porto, destino meu.

   - Letra: Mary Ann Baker, 1874
   - Música: Horatio Richmond Palmer, 1874